Marun defende impeachment de Barroso

Ministro do STF foi acusado de desrespeitar os três poderes

Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência
Carlos Marun, ministro da Secretaria de Governo da Presidência
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Em uma coletiva de imprensa realizada nesta terça-feira (13), ao lado do ministro da Justiça, Torquato Jardim, o ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, defendeu o impeachment do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), por suas decisões sobre a quebra de sigilo bancário do presidente Michel Temer e sobre o decreto de indulto de Natal.

"O governo não está pensando nisso, mas eu estou. Nós estamos diante de um sucessivo desrespeito à Constituição em sucessivas decisões do ministro Barroso. Nesta última ele consegue desrespeitar os três poderes. Desrespeita o Legislativo, o Executivo e o próprio Judiciário, a partir do momento que toma uma decisão que deveria ser tomada por quórum qualificado pelo plenário do Supremo Tribunal Federal" afirmou o ministro.

Marun chegou a afirmar que deixaria o cargo de ministro de estado e voltaria ao cargo de deputado federal para apresentar a representação contra o ministro Barroso:

"Solicitei a alguns juízes de minha confiança, comentei em grupos de WhatsApp, e se entendermos, respeitando a Constituição, se for esse o caminho, analiso a possibilidade de me distanciar do cargo de ministro para a apresentar como deputado uma representação", disse Marun.