Incêndio atinge alojamento do Bangu e jogadores vão para hospital

Fogo começou por problemas no aparelho de ar-condicionado, que gerou faíscas que caíram no colchão

Jogadores do Bangu comemoram gol pelo Campeonato Carioca
Jogadores do Bangu comemoram gol pelo Campeonato Carioca
Foto: Divulgação | Bangu

Outro incêndio com jogadores de futebol como vítimas ocorreu na tarde desta segunda-feira (11), no Rio de Janeiro. Três atletas da categoria de base do Bangu descansavam no alojamento da CDA (Comissão de Desportos da Aeronáutica), em Campo dos Afonsos, na zona oeste carioca, quando o local começou a pegar fogo. Eles conseguiram escapar e foram encaminhados para o Hospital da Aeronáutica, que fica a poucos metros de lá.

A assessoria de imprensa do Bangu informou que a situação dos atletas não exige maiores cuidados e que dois deles devem ser liberados ainda nesta segunda-feira. A terceira vítima, por ter inalado bastante fumaça, foi encaminhado para o CTI. Coincidentemente, o aparelho de ar-condicionado produziu faíscas, que caiu no colchão dos garotos. Com isso o incêndio começou.

O Bangu vem utilizando as instalações da CDA para seus treinamentos. O local possui o Centro Olímpico de Treinamento da Aeronáutica, que tem projetos sociais com crianças e adolescentes e que nos Jogos do Rio, em 2016, foi a casa da equipe de atletismo brasileira. No Campeonato Carioca, o Bangu por pouco não avançou para a semifinal da Taça Guanabara, ficando em terceiro lugar no Grupo C (passaram Flamengo e Resende).

O incidente com jogadores do Bangu ocorre poucos dias depois de uma tragédia com outro time carioca, o Flamengo. Na sexta-feira, um incêndio no alojamento das categorias de base do clube causou a morte de dez garotos e deixou outros três feridos. Os jogadores de 14 a 17 anos dormiam em um contêiner. A possível causa do incêndio é um curto circuito no aparelho de ar condicionado.

Dos três sobreviventes, apenas Cauan Emanuel recebeu alta do hospital nesta segunda-feira e se recupera em casa. Outro garoto, Francisco Dyogo, continua internado, mas está bem e não corre risco de morrer. O caso de Jonathan Ventura é mais grave. Como ele inalou muita fumaça e teve cerca de 30% do corpo queimado, continua internado em estado grave.