Jhonata evoluiu e família demonstra otimismo na recuperação do zagueiro

Defensor capixaba teve a sedação diminuída e não apresentou febre nas últimas 24 horas

A aflição e preocupação ainda são grandes, mas aos poucos os familiares do zagueiro capixaba Jhonata Ventura, ,15 anos, um dos três jogadores feridos no incêndio que atingiu o Centro de Treinamento do Flamengo na última sexta-feira (08) e deixou dez jogadores mortos da base rubro-negra no Ninho do Urubu.

Jhonata Cruz Ventura é da Serra e zagueiro da base do Flamengo desde o ano passado
Jhonata Cruz Ventura é da Serra e zagueiro da base do Flamengo desde o ano passado
Foto: Reprodução/Instagram

Internado no Hospital Pedro II, no Rio de Janeiro, especializado no tratamento de pessoas com queimaduras, caso do defensor capixaba, que teve entre 30 a 40% do corpo atingido pelas chamas, Jhonata teve uma melhora significativa e o quadro dele é estável. É o que foi informado por Jones Ventura, de 39 anos, tio do zagueiro, mas que sempre cuidou do garoto como se fosse o próprio filho. O familiar é morador da Serra, mas se deslocou ao Rio para ficar mais próximo do sobrinho, que segue internado na UTI.

"Ele está estável e isso nos trouxe mais calma. Ontem diminuíram a sedação e isso deve continuar nos próximos dias. O Jhonata não teve mais febre, está urinando normalmente e se tudo der certo, na quarta-feira (13) talvez já retirem os tubos de respiração. Tenho um carinho enorme por ele. É mais que um sobrinho. É um filho para mim. Ele morava comigo até ir para o Flamengo. Nos falamos diariamente", detalhou.

As palavras do tio de Jhonata são próximas ao que foi informado no último boletim médico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde, ontem, por volta do meio-dia. "Nesta segunda-feira (11), está hemodinamicamente estável com melhoras nos parâmetros respiratórios. Realizou nova broncoscopia que mostrou melhora das lesões pulmonares. Também foi feito banho das queimaduras profundas, que não mostrou piora das lesões, e novos curativos tópicos", diz a nota.

Jones contou ter conversado com o sobrinho até poucas horas antes do incêndio e foi acordado com a notícia do incêndio. "Conversamos pelo Whatsapp até por volta de 1h40 da madrugada de sexta e fui dormir. Quando acordei com a notícia, liguei e mandei mensagem para ele, mas não respondeu. Tentei ficar calmo, pois isso acontecia antes por ele estar treinando ou estudando, mas desta vez foi diferente. Depois veio a confirmação de que ele estava entre os feridos", disse Jones.

Apoio irrestrito

Quase um pai na vida do zagueiro, Jones explicou que nas muitas conversas com o sobrinho, Jhonata nunca reclamou de nada relacionado à estrutura que o Flamengo disponibilizava para ele e os demais atletas. "Eu sempre o questionei e perguntava se estava tudo bem. Ele jamais falou mal do clube, pelo contrário. Quero deixar isso claro. O Jhonata e nós da família não temos o que falar do Flamengo. Ele sempre elogiou o alojamento, os campos, locais de treinos e a assistência que recebia. Sinceramente eu acredito que foi uma fatalidade. Uma coisa muito triste e dolorosa, mas que infelizmente aconteceu", ponderou.

Por fim, Jones salientou que o clube está oferecendo todo o suporte necessário ao atleta e aos familiares. "O Flamengo está em contato constante através dos assistentes sociais, psicólogos, não deixa faltar nada. A postura é correta, nesse sentido não há o que ser criticado", atestou o encarregado de armazém.