"Não tive direito a um tratamento anônimo", diz Fábio Assunção

"O impacto que temos na vida do outro é imensa", disse o ator sobre nova série

O ator Fábio Assunção
O ator Fábio Assunção
Foto: Samuel Chaves

Fábio Assunção, 48, não esconde seu passado como dependente químico. Desta vez, porém, o ator vai interpretar o pai de uma usuária de crack em "Onde Está meu Coração", da Globoplay. "É uma série que discute a família. Um dos grandes problemas da dependência é as pessoas terem vergonha de falar sobre ela, porque dificulta o processo de reequilíbrio", disse em entrevista ao jornal "O Globo".

A identificação com a série foi imediata. A experiência pessoal de Assunção, segundo ele, permitiu uma aproximação ainda maior com seu personagem. "Sempre busco uma profundidade nas almas das personagens que faço, entender quem são essas figuras. E, quando fui convidado, vi essa possibilidade", explicou. 

Ele contou, ainda, que a série será muito importante para desmistificar o tabu acerca do assunto: "Qual é a dificuldade de entender que o vício faz parte dos buracos que a gente tem na alma? O vício não é uma questão de caráter, ou de escolha. Não é você aceitar uma propina. É impulsão, compulsividade".

Segundo Assunção, ele deixou o vício em cocaína para trás há cerca de cinco anos: "Hoje tenho uma vida absolutamente normal".

Para o ator, a dependência química é, até hoje, algo estigmatizado e tratado com hipocrisia: "Não está ligado a pretos e pobres, de comunidades, que são absolutamente estigmatizados. A ilegalidade da droga é colocada como uma forma de você segregar toda uma população que é excluída do nosso sistema branco de consumo", analisa. 

A exposição dificultou o processo de aceitação e de tratamento do ator. Ele lembra que a primeira vez que resolveu buscar ajuda, foi parar na mídia: "Vim até um AA na Barra, escondido, sem falar com ninguém. Quando saí, tinha um paparazzo, ele fez uma foto minha, e saiu uma nota na imprensa: 'Fabio Assunção foi no AA'. Não tive direito a um tratamento anônimo". 

"Desde o primeiro passo que dei, já foi divulgado. E aí começa uma bola de neve, você entra num ciclo de estigma. Foi muito difícil não poder ter feito isso em silêncio", completou, afirmando entender seu papel e responsabilidade como porta-voz do assunto. 

A divulgação de momentos íntimos do ator afeta também seus familiares. O filho de Fábio, João Assunção, 16, já saiu em defesa do pai em momentos em que a exposição excessiva atrapalhou a vida pessoal da família: "O impacto que temos na vida do outro é imensa. Por ser uma figura muito pública, quando passamos por tempos ruins, sofremos em dobro, aguentando olhares julgadores, comentários, posts, tweets e mais criticando como se aquelas ações ruins definissem seu caráter, por completo", disse o jovem.