Revolta e tristeza em velório de irmãos assassinados em Vitória

Ruan Reis, 19 anos, e Damião Marcos Reis, de 22 anos, foram mortos a tiros na madrugada deste domingo (25) no Morro da Piedade, no Centro de Vitória, onde moravam

Amiga dos irmãos fez um desabafo sobre o crime durante o velório
Amiga dos irmãos fez um desabafo sobre o crime durante o velório
Foto: Mayra Bandeira

Um clima de revolta e tristeza marcou o velório dos irmãos Ruan Reis, 19 anos e Damião Marcos Reis, de 22 anos, no Cemitério de Maruípe, em Vitória, na manhã desta segunda-feira (26).

Emocionada, Kessia Silva, amiga dos irmãos assassinados, fez um discurso lamentando o crime (veja o vídeo abaixo).

"Eles estão em um lugar melhor que a gente, porque lá em cima eles estão rodeados dos anjos, e os anjos estão sorrindo porque eles contagiavam a todos. Eles eram pretos, favelados, tiveram tudo para entrar na vida errada e não entraram. Damião sempre foi trabalhador, batalhador, ele morreu como herói, assassinaram o nosso ídolo", desabafou.

A diretora da escola Professora Eunicie Pereira Silveira, Cirlane Natal, onde Damião dava aula de capoeira, disse que o rapaz era muito querido na unidade e que, além de ser professor de capoeira, também representava uma figura paterna, pois aconselhava os meninos a não se envolverem com drogas.

 Clima de revolta e tristeza marcou o velório dos irmãos
Clima de revolta e tristeza marcou o velório dos irmãos
Foto: Mayra Bandeira

 O CRIME

Ruan Reis (à esquerda) e Damião Reis (à direita): irmãos mortos na madrugada deste domingo com mais de 20 tiros cada
Ruan Reis (à esquerda) e Damião Reis (à direita): irmãos mortos na madrugada deste domingo com mais de 20 tiros cada
Foto: Reprodução/Facebook

Dois irmãos de 19 e 22 anos foram assassinados na madrugada deste domingo (25) no Morro da Piedade, no Centro de Vitória, onde moravam. O caso aconteceu por volta de 0h50, quando quatro homens armados, sendo dois com touca ninja e colete, invadiram o quintal da casa dos dois irmãos perguntando "cadê o patrão".

Ruan Reis, 19 anos, respondeu que não sabia quem eles estavam procurando e tentou conversar. Os criminosos, que simulavam ser policiais pelo linguajar, disseram que o jovem deveria sair com eles para conversar e ser revistado. Ruan obedeceu a ordem e saiu com eles de casa.

Ao perceber que o irmão foi abordado, o pedreiro Damião Marcos Reis, de 22 anos, que fazia trabalhos sociais dando aulas de capoeira no Morro da Piedade e era passista da escola de samba Piedade, foi atrás do grupo pedindo que não levassem o irmão. Nesse momento, Damião foi surpreendido por vários disparos.

De acordo com a polícia, foram mais de 60 disparos. A perícia encontrou 22 perfurações no corpo de Ruan e 20 no corpo de Damião. No local foram encontradas mais de 60 cápsulas de calibre 380, .40 e 9mm.

A mãe das vítimas, visivelmente abalada, precisou ser amparada e socorrida para o Pronto-Atendimento da Praia do Suá por parentes e amigos. A família, com muito medo, não quis dar entrevista.

Amigos, que preferiram não se identificar, disseram que os dois irmãos eram boas pessoas, conhecidas pelos projetos sociais e também pela escola de samba. Eles classificaram o crime como "covardia" e não entendem o motivo.

De acordo com a Polícia Militar, nenhum dos dois irmãos tinha passagem. Porém, eles têm um irmão preso por tráfico de drogas e ainda não se sabe se isso tem relação com o duplo homicídio.

*Com informações de Elis Carvalho