Bandidos invadem contas de WhatsApp para aplicar golpes

Com o aplicativo clonado, o criminoso faz backup de todas as conversas da vítima e entra em contato com todos os amigos da lista pedindo dinheiro

Aplicativos como WhatsApp são comuns no dia a dia capixaba, seja para qualquer tipo de troca de mensagens ou até mesmo para resolver assuntos sérios como negócios. Mas é preciso ficar atento ao usar o programa, isso porque criminosos estão invadindo contas para aplicar golpes. Só na Grande Vitória, a polícia tem recebido pelo menos uma ocorrência por dia.

De acordo com o delegado Breno Andrade, da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), o crime aumentou nos últimos três meses. Esse golpe funciona da seguinte forma: a vítima faz um anúncio em um site de compras e vendas, deixando o número de celular. O criminoso entra em contato pelo WhatsApp com o anunciante, usando a logo do site, afirmando que é preciso seguir um protocolo para ter o anuncio válido.

COMO O BANDIDO 'ROUBA' O SEU WHATSAPP

 1.  O golpista finge ser o site de compras e vendas no qual a vítima criou um anúncio, dizendo que, para ter a conta ativa, o anunciante precisa enviar um código que irá receber por SMS

 2.  Neste intervalo, o golpista tenta fazer uma conta do WhatsApp usando o número da vítima. Como o aplicativo só aceita que a conta funcione em um único celular, a vítima recebe um SMS com esse código de verificação. Ao passar esse código para o suposto perfil do site de compras e vendas, a vítima perde o acesso ao aplicativo dela

O PASSO SEGUINTE

Com o Whatsapp clonado, o criminoso faz backup de todas as conversas da vítima e entra em contato com todos os amigos da vítima. Passando-se pelo dono do número, o bandido afirma estar precisando dinheiro urgentemente, pede que o amigo faça um depósito e promete que devolverá a quantia em poucos dias.

> Bandido se passa por médico e tenta aplicar golpe em hospital no ES

Uma das vítimas do golpe, um jovem que pediu para não ser identificado, contou que recebeu uma mensagem no aplicativo de um número de DDD 11, onde no perfil do contato havia uma foto com a logomarca da empresa onde ele tinha feito o anúncio de um veículo.

"Tudo começou quando fiz o anúncio de um carro em um aplicativo muito conhecido e, de repente, um minuto depois, recebi uma mensagem no WhatsApp. Essa mensagem pedia para eu confirmar se eu queria de fato prosseguir com o anúncio no site. Para prosseguir, eu tinha que confirmar um código que receberia por SMS. Não sabia que aquele código estava dando direito a ele a acessar meu WhatsApp".

A pessoa que cometeu o golpe era muito convincente, tanto que uma amiga do trabalho transferiu R$ 500 para essa conta pensando que era eu. Ela nem duvidou. Depois eu tive que explicar que tive o Whatsapp hackeado

ENTREVISTA

Uma das vítimas do golpe do WhatsApp clonado foi um empresário, de 31 anos, morador de Vila Velha. Rodrigo Carvalho contou que tudo começou quando ele anunciou o carro em um site. Em poucos minutos, o aplicativo dele já tinha sido clonado e dois amigos caíram no golpe, depositando R$ 10 mil no total.

Rodrigo Carvalho
Rodrigo Carvalho
Foto: Fernando Madeira

Como o golpista entrou em contato?

Eu fiz um anúncio de um carro. Assim que terminei o anuncio eu recebi uma mensagem pelo WhatsApp se passando por alguém do site que anunciei, com a logo deles e tudo. A mensagem dizia que para questões de segurança, eu deveria ativar o meu anúncio digitando o código que chegaria por SMS. Falava que se eu não fizesse isso, meu anuncio sairia do ar em sete dias. Recebi o SMS com o código e enviei os números, como solicitado, achando que eu estava falando com o site de vendas e compras. Ele também dava a opção de clicar em um link.

O que você fez?

Enviei o código e cliquei no link. Logo após alguns minutos, o WhatsApp reiniciou e eu perdi o acesso. Era como se eu tivesse inciando o uso do aplicativo do zero, tive que colocar novamente o meu número de telefone... Aí recebi suas opções: Ou eu esperaria até seis horas para receber um SMS com um código ou receberia por ligação em uma hora. Escolhi o a segunda opção e esperei uma hora. O telefone tocou com uma mensagem automática com um código, mas eu tentava colocar os números e o aplicativo não abria. Desde então eu não consegui mais entrar no meu WhatsApp.

Foi aí que você percebeu o golpe?

Sim, logo desconfiei. Liguei para o meu pai e pedi para avisar as pessoas mais próximas que não era para considerar caso eu enviasse alguma mensagem por WhatsApp. Fiz um Story no Instagram alertando sobre isso. Um amigo me ligou na hora dizendo tinha feito transferência ao meu pedido de R$ 2.100. O golpista mandou a mensagem se passando por mim, dizendo "Preciso de um favorzão seu, estou com meu limite diário estourado e preciso fazer uma transferência agora. Amanhã eu te devolvo a quantia". As pessoas mais próximas acabam solidarizando-se.

Mais algum amigo transferiu?

Outro amigo enviou R$ 7.900, dando um total de R$ 10 mil perdidos. O bandido entrou em contato com todos os meus amigos, mas a maioria desconfiou. Registrei o caso na delegacia, mas tive a informação de que esse é um crime que dificilmente conseguem achar os golpistas porque normalmente eles usam uma conta bancária fria, de onde eles tiram ou transferem o dinheiro bem rápido.

Como vai ser de agora em diante?

O banco não se responsabiliza. A polícia não tem muito o que fazer. Eu estou sem Whatsapp até hoje. Meus amigos ficaram no prejuízo e eu também, porque em comprometi a rachar esse valor com eles. Eles fizeram de boa fé, porque sempre tivemos uma boa relação. É muito triste. Foi um momento de bobeira, em que eu estava sem prestar muita atenção. Se eu puder alertar agora: sempre desconfiem.

COMO EVITAR O GOLPE?

"Os acusados podem ser ex-companheiros, pessoas com quem elas tiveram relacionamentos e até mesmo desconhecidos", afirmou o delegado Brenno Andrade
"Os acusados podem ser ex-companheiros, pessoas com quem elas tiveram relacionamentos e até mesmo desconhecidos", afirmou o delegado Brenno Andrade
Foto: Carlos Alberto Silva

Para o delegado Breno Andrade, da Delegacia de Repressão aos Crimes Cibernéticos (DRCC), alguns cuidados podem ser tomados para evitar ser vítima do golpe do WhatsApp clonado. Entre as principais estão: não enviar nenhum código recebido por SMS para terceiros e não enviar nenhum dinheiro a pedido de amigos sem antes falar com a pessoa por telefone ou pessoalmente.

> Golpe do carro quebrado: crime antigo ainda faz vítimas no ES

O delegado explicou que uma opção é ativar a notificação de segurança do próprio WhatsApp. Dessa forma, sempre que o código de segurança de um contato mudar, o usuário recebe uma mensagem com essa informação. Se logo após receber essa informação, o amigo fizer um pedido de empréstimo, é preciso desconfiar.

Para ativar a notificação, o passo a passo é:

- Abra o aplicativo e vá até a aba "Configurações" (no Android) ou "Ajustes" (iOS)

- Escolha o item "Segurança" e ative a opção "Mostrar notificações de segurança"

Outra boa dica, segundo o delegado, é usar o sistema de segurança do próprio WhatsApp, que tem verificação em duas etapas para impedir o acesso de terceiros.

Para ativar a verificação em duas etapas, é preciso seguir o passo a passo:

- Vá novamente na aba "Configurações" (no Android) ou "Ajustes" (iOS)

- Escolha o item "Conta"

- Selecione "Verificação em duas etapas" e clique em "Ativar".

DESCONFIE SEMPRE

Além disso, é preciso desconfiar de quem pede dinheiro em contas com outros nomes. Jogar o número da agência e conta em sites de busca é uma opção.

Normalmente são bancos que funcionam em outros estados, o que é muito suspeito. Também é bom ter bom senso e perguntar ao amigo que pediu dinheiro algo que só vocês saibam. Mas a melhor opção continua sendo ligar ou falar pessoalmente com o amigo para saber se ele realmente pediu o empréstimo

O delegado lembra, ainda, que sites de compras e vendas geralmente não entram em contato por WhatsApp. Caso haja dúvida, o ideal procurar os canais oficiais. Outra dica consiste em nunca enviar os códigos que recebe por SMS. "Normalmente as vítimas afirmam que caíram no golpe porque estavam ocupadas e não prestaram atenção. Os criminosos mandam várias mensagens aos amigos, se de dez contatos, uma ou duas caem, ele está no lucro. Então, desconfie sempre", alertou.