Após ordem judicial, mais de 50 apartamentos são esvaziados em Ourimar

Na segunda-feira (15), quem não saiu poderá ser retirado a força

Caminhões de mudanças se enfileiram em frente ao Condomínio de Ourimar
Caminhões de mudanças se enfileiram em frente ao Condomínio de Ourimar
Foto: Divulgação

Encerra nesta sexta-feira (12) o prazo para moradores em situação irregular de 93 apartamentos do Condomínio Ourimar, na Serra, saiam voluntariamente do conjunto habitacional. A determinação começou a valer na segunda-feira (08), sendo que em três dias, 55 imóveis foram esvaziados. Na próxima semana, será autorizada o uso de força policial para retirada das pessoas que não cumpriram a determinação de sair.

> Em vídeo, bandidos exibem armas dentro do Condomínio Ourimar, na Serra

A informação é da Defensoria Pública da União (DPU). A lista inicial continha 141 imóveis. Porém, durante a semana, a DPU e a Caixa Econômica Federal analisaram novamente a situação de 48 imóveis da lista, fazendo com que o Judiciário aceitasse o pedido para que não fossem reapropriados. Oito caminhões de mudança e ajudantes de carga estão disponibilizados para os moradores que saírem.

>Moradores de Ourimar terão de devolver 139 apartamentos na Serra

“No caso desses 48 imóveis, verificamos que são pessoas que estavam no imóvel porque o mutuário (quem comprou o imóvel originalmente) faleceu, e que eram ascendente ou descente deste mutuário ou que parou de pagar temporariamente, mas retornou. Em regra são pessoas que têm contrato, por isso o entendimento inicial da Caixa foi equivocado", observou o defensor público da União, Antonio Ernesto de Fonseca e Oliveira.

O contrato a que o defensor se refere é o assinado no dia que o indivíduo - chamado de mutuário - recebeu o imóvel. Quem possui esse contrato, deve fazer o pagamento de parcelas mínimas entre R$ 40 e R$ 120, em média.

Segundo o defensor da União, as pessoas que residem nos apartamentos de forma irregular, e que estão, portanto, na lista para a desocupação divulgada pela Justiça no dia 03 de julho, receberão aluguel social. "Em reuniões que tivemos com a polícia, a Secretaria de Defesa Social, Secretaria de Direitos Humanos, com a Caixa, a Prefeitura, ficou acordado que as pessoas que estão saindo agora receberão aluguel social por algum tempo pela prefeitura”, informou.

Antônio Ernesto disse que os imóveis que foram desocupados, assim que tiverem condições de serem habitados novamente, receberão novos moradores definidos pela Prefeitura de Serra.

EXPULSÕES

Sobre os ex-moradores de Ourimar que foram expulsos por traficantes, o defensor público disse que foi realizado contato com eles. “Percebemos que as pessoas que foram expulsas não querem voltar aos imóveis em Ourimar. Muitos viram ou viveram situações de violência, traumatizaram, e não querem voltar. Elas caem na situação de depender dos programas habitacionais do governo. Dependem da retomada de programas de habitação do governo federal, o que, atualmente, está parado”, explicou o Antônio Ernesto.

>Nova facção de traficantes expulsa famílias do Condomínio Ourimar

Porém, não há garantias de que será disponibilizado um novo imóvel para o morador expulso. “Temos muitas ações individuais, e em maioria conseguimos aluguel social. Quem tem contrato e não mora mais lá, seja por expulsão ou outro motivo, deve procurar a defensoria Pública da União, o mais rápido possível, se quiser voltar para o imóvel. Quem não quer voltar, também deve procurar a defensoria para que seja aberto o pedido de aluguel social ou de outro imóvel do programa”, orientou Antônio Ernesto.

>Condomínio Ourimar: ex-moradores ficam sem imóvel e sem assistência

A Defensoria Pública da União está localizado na Avenida Cezar Hilal, nº 1293, bairro Santa Lúcia, em Vitória. É preciso levar documentos pessoais, contrato e comprovante que pagou as parcelas do imóvel.

Condomínio Ourimar:  segundo a polícia, acusado retirou 8 famílias dos apartamentos
Condomínio Ourimar: segundo a polícia, acusado retirou 8 famílias dos apartamentos
Foto: Glacieri Carraretto

VÍDEO DE ARMAS

A Polícia Civil investiga já possui três suspeitos de produzirem um vídeo exibindo armas longas dentro da área do condomínio Ourimar, na Serra.

O delegado a frente da investigação, Rodrigo Rosa, da Delegacia de Polícia de Jacaraípe, disse que recebeu o vídeo na noite de quarta-feira (11) e abriu inquérito para apurar o crimes. “Os primeiros suspeitos são indivíduos investigados por esbulho, porte ilegal de arma de fogo e tráfico de drogas”, explicou o delegado.

Nas imagens, os criminosos mostram o armas, uma delas aparentando fabricação caseira, está noite e o funk é o ritmo que serve de fundo musical para a gravação do vídeo. Um dos suspeitos faz ameaças. “A tropa dos Predinhos, é a tropa do Ourimar. Os crias, prontos na nave. Vai tomar só na cara. Aquilo foi só foi um teste, tá”, diz um dos criminosos.

“Predinhos” é como alguns traficantes chamam o residencial Ourimar. De acordo com o delegado, no último dia 28 de junho estava marcado um baile funk clandestino para acontecer no condomínio, mesmo dia em que teria sido gravado o vídeo.

“Não me causou surpresa esse vídeo, temos conhecimento que há a presença de criminosos no local e temos organizado operações com detenções dentro do condomínio. Porém, por ser um local grande com inúmeras residências, há dificuldade de localizar os indivíduos alvos da operação”, observou o delegado Rodrigo Rosa.

Outra situação que vem recebendo a atenção do delegado são assaltos próximos à Ourimar. “Temos três registros de assaltos. É outro tipo de crime, com outros envolvidos e com procedimento de investigação já instaurado”, explicou.

>Prefeitura derruba cercas do condomínio Ourimar

Rodrigo Rosa diz que recebe denúncias de muitos moradores. “A Polícia Civil está de olho e fazendo o trabalho de apurar os crimes”, observou o delegado, que afirmou que a participação da população é importantíssimo.

Em novembro de 2017, duas câmeras de videomonitoramento foram instaladas pela Prefeitura da Serra em frente ao condomínio. Porém, há relatos de que as câmeras não funcionam. Por meio de nota à imprensa, a Prefeitura disse que as câmeras do local estão funcionando e são monitoradas 24 horas por dia.

De acordo com a nota, quando alguma situação suspeita é identificada, as imagens são encaminhadas para investigação da Polícia Civil.  No entanto, a Delegacia de Polícia de Jacaraípe não tem recebido nenhuma imagem recentemente.