Jogador de futebol é acusado de esfaquear ex-mulher em Cariacica

A mulher foi atingida com sete facadas. O suspeito é o ex-marido com quem ela conviveu durante seis anos

Presos foram encaminhados para o Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em Vitória
Presos foram encaminhados para o Departamento Especializado de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), em Vitória
Foto: Bernardo Coutinho

Irritado por não aceitar o fim do relacionamento, um jogador de futebol de 26 anos é acusado de esfaquear a ex-mulher, uma vendedora de 23 anos, na casa onde eles moravam no bairro Campo Gramado, em Cariacica. A filha do casal, uma menina de 5 anos, flagrou a agressão.

A vítima contou que foi casada com o acusado por seis anos. Os dois tiveram duas filhas: uma de 5 anos e outra de 5 meses. A vendedora revelou que decidiu terminar o relacionamento há três semanas.

> Polícia divulga lista dos 10 assassinos de mulheres mais procurados

De acordo com a vítima, o jogador foi à casa dela por volta das 23h desta segunda-feira (19) com o pretexto de visitar os filhos. Na hora de ir embora, o ex-marido pediu para que a vendedora abrisse o portão do imóvel. Segunda ela, o ex-marido não aceita a separação e desde que foi embora de casa faz contato na tentativa de reatar o relacionamento.

 

> Dentista é preso na 5ª fase da Operação Marias no ES

“Antes de ir embora, ele voltou a insistir com a história de voltar a morarmos juntos. Eu disse que não. Sem falar mais nada, ele partiu para cima de mim com a faca. Comecei a gritar por socorro e ele me empurrou da escada e me esfaqueou um monte de vezes”, relembrou.

Mesmo enquanto era atacada, ela continuou gritando e foi amparada pelo padrasto e pela mãe dela. O suspeito conseguiu fugir. A vítima foi levada por um vizinho para o PA de Alto Lage, no mesmo município, onde foi medicada. A vendedora foi atingida com sete facadas nos braços, no tórax e no pescoço.

"CANSEI", DIZ VÍTIMA

“Eu terminei com ele porque já não o queria mais. Ninguém é obrigada a permanecer em um relacionamento abusivo, com um homem querendo oprimir a nossa mente. Em toda a discussão ele reagia mal. Cansei! Essa agressão da facada foi a primeira. Já não voltaria, depois do que ele fez, aí é que não quero mesmo”, desabafa.

INVESTIGAÇÃO

O crime está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM), instalada dentro do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

De acordo com a Polícia Civil, nenhum suspeito foi preso. Denúncias podem ser feitas por meio do Disque-Denúncia 181 ou pelo disquedenuncia181.es.gov.br. Não é preciso se identificar.