Líder de facção no Espírito Santo teve 55 advogados em 14 meses

Beto, do Primeiro Comando de Vitória (PCV), está na lista de assistidos de Luezes Makerlle Rocha, advogada presa sob acusação de repassar bilhetes de clientes

Carlos Alberto Furtado da Silva, o Beto, recebeu 55 advogados em pouco mais de um ano no complexo penitenciário de Viana
Carlos Alberto Furtado da Silva, o Beto, recebeu 55 advogados em pouco mais de um ano no complexo penitenciário de Viana
Foto: Vitor Jubini

Uma das principais lideranças criminosas do Estado, Carlos Alberto Furtado, o Beto, à frente do Primeiro Comando de Vitória (PCV) e detido na Penitenciária de Segurança Máxima 2, em Viana, foi atendido por 55 advogados em 14 meses. É mais do que o dobro de profissionais que fazem a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que se encontra preso na Polícia Federal, e cuja banca conta com 24 advogados.

Levantamento realizado pela reportagem, a partir de informações das visitas feitas por advogados ao presídio de Viana, revela que no ano de 2018 e nos dois primeiros meses deste ano o detendo Beto recebeu 310 visitas no período. Só no ano passado foram 265. Isso significa que, por mês, ele recebeu pelo menos 22 vistas de um dos seus 55 advogados.

Se for considerar as visitas diárias, há advogados que chegaram a visitá-lo 25 vezes em um mês, e em muitas vezes acompanhados de outros profissionais, com inscrições tanto na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Estado quanto na do Rio de Janeiro. Um terço de todas as visitas realizadas no período foram feitas por apenas um profissional. Houve a chamada assistência jurídica até em dias especiais, como na véspera do Natal, 24 de dezembro, e na do Ano Novo, 31 de dezembro, período em que o Judiciário está de recesso e os atendimentos judiciais são feitos em plantões.

Dentre os profissionais que visitaram Beto no período está a advogada Luezes Makerlle da Silva Rocha, que a ele prestou assistência em três dias do ano passado, nos meses de janeiro e maio. A profissional foi presa na manhã desta terça-feira (20) na Operação Ponto Cego, realizada pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas (Nuroc). Ela e a profissional Gabriella Ramos Acker, que também foi presa, são suspeitas de coletar e transmitir bilhetes de lideranças criminosas detidas no sistema prisional capixaba para comparsas do lado de fora executarem as ordens.

> OAB: Não é função de advogado levar bilhetes para familiares ou amigos

DENÚNCIA

Detido desde 2013, Beto lidera a organização criminosa que domina o Complexo da Penha, o Primeiro Comando de Vitória (PCV), e o seu braço armado, o Trem Bala, ambas ligadas ao Primeiro Comando da Capital (PCC), cujas principais lideranças estão reclusas, mas ainda continuam dando ordens e comandando suas “empresas” de dentro do presídio, tentando ampliar seu território. A informação faz parte de uma denúncia do Ministério Público Estadual apresentada à Justiça no final do ano passado.

Investigação aponta que advogados recebiam R$ 300 por visita a detentos

Na ação, Beto é descrito como uma pessoa “articulada, inteligente, com estratégias claras de alianças com outros detentos”. Dentro do sistema prisional é tido como alguém com muito dinheiro, supostamente em nome de outras pessoas. Lança mão de “catuques” – bilhetes trocados entre presos – e de cartas, de contatos com familiares que o visitam e até dos celulares que a ele chegam, mesmo dentro da prisão, para controlar com mão de ferro as lideranças a ele ligadas.

Uma verdadeira empresa ou sociedade, como é descrita no processo, comandada por diretores, gerentes, responsáveis pela segurança dos pontos de preparação e venda de drogas, as conhecidas “bocas de fumo”, e, por fim, dos encarregados pela comercialização das drogas. Tudo funcionando a pleno vapor, comandado por Beto, com propósito de explorar o tráfico de drogas, contando até com diversos fornecedores de materiais ilícitos fora do Estado. O curioso é que boa parte das principais lideranças (83) está presa, e é dos presídios que saem as decisões que afetam as comunidades da Grande Vitória. Uma das cartas que constam em processo, por exemplo, determinava a execução de um outro preso que havia acabado de deixar o sistema.

OUTROS

Além do Beto, a reportagem teve acesso a visitas de advogados recebidas por outros quatro presos. Todos são lideranças que já constaram na lista estadual de bandidos mais perigosos, ligadas ao tráfico de drogas e atuaram ainda na organização criminosa comandada por Beto em algum momento.

Dentre eles está Giovani Otacílio de Souza, o Paraíba, preso em 2017 com uma arma de ouro. Era um dos chefes do tráfico de drogas do Bairro da Penha, em Vitória. Na época, tinha nove mandados de prisão em aberto contra ele. No período entre 2017 a 2019 ele foi atendido por 28 advogados, em 178 visitas. Nove dessas visitas foram feitas pela advogada Luezes, presa pelo Nuroc.

Outro detento que também conta com muitos advogados que o atendem é Weverson da Rocha Bento. Preso em 2014, também constava na lista dos 10 mais procurados. Conhecido como Versinho e Playboy, é outra liderança do tráfico de drogas na região do Aglomerado da Penha, em Vitória. Entre os anos de 2014 e 2019, um total de 33 advogados o atenderam, dentre eles Luezes e Gabriella.

Outra liderança do tráfico também presa desde 2011, João de Andrade, irmão de outro traficante preso, conta com 17 advogados que o atenderam entre os anos de 2018 e 2019, período em que recebeu 65 visitas. E tem ainda Leonardo Elisário Neves, conhecido como o segundo gerente do tráfico do Bairro da Penha, com dez advogados que o atenderam entre os anos de 2013 e 2019. Em 2017, ele recebeu oito visitas de Luezes.

E esses não são os únicos casos. Em entrevista coletiva realizada na tarde desta terça-feira, o delegado do Nuroc, Raphael Simões, disse que as investigações revelaram que um preso chegou a receber onze visitas em um dia. E ainda outro preso recebeu, em 135 dias, mais de 140 visitas de seus advogados.