Mulher nua encontrada morta em Vitória era manicure

Ana Pereira dos Santos tinha 49 anos. A família fez o reconhecimento do corpo no DML

Corpo foi encontrado na região da Ilha do Boi, em Vitória
Corpo foi encontrado na região da Ilha do Boi, em Vitória
Foto: Eduardo Dias

A mulher nua encontrada morta próxima às pedras da Ilha do Boi, em Vitória, na manhã da última terça-feira (20) teve o corpo identificado por familiares. Ana Pereira dos Santos, de 49 anos, era manicure, tinha problemas psicológicos, de acordo com a família, que fez o reconhecimento do corpo no Departamento Médico Legal (DML) de Vitória.

A reportagem do Gazeta Online conversou com a autônoma Rosana Santos de Jesus, de 31 anos, sobrinha de Ana. "Minha tia tomava remédio controlado e às vezes saía sem rumo, desnorteada — mas ela sempre voltava. Dessa vez, não voltou. Acreditamos que ela morreu afogada pois gostava muito do mar", disse.

Ana Pereira estava desaparecida desde as 12h do último sábado (17) quando saiu da casa da mãe, em Jardim Tropical, na Serra. "Até ontem (terça) procuramos por ela, recebemos várias ligações de pessoas informando que tinham visto minha tia... E nada dela. Passou na TV, vimos a reportagem e logo imaginamos que poderia ser ela".

> Família de cobrador desaparecido há 10 meses em Cachoeiro pede respostas

Segundo informou Rosana, a tia tinha o costume de se despir quando tinha alguma crise. "Ela fazia isso quando dava alguma crise. Estamos tristes, abatidos, pensei que a encontraríamos com vida", lamentou. O sepultamento de Ana aconteceu no Cemitério de Carapina por volta das 15h desta quarta-feira (21).

Acionada pela reportagem, a Polícia Civil relatou que ainda não há novas informações que possam ser divulgadas, e frisou que a nota permanece a mesma divulgada anteriormente.

A Polícia Civil informa que o caso foi registrado, inicialmente, como encontro de cadáver e seguirá sob investigação da Delegacia Especializada de Homicídios e Proteção à Mulher (DHPM).

O corpo da vítima, do sexo feminino, foi encaminhado para o Departamento Médico Legal (DML) de Vitória, para ser identificado e para ser feito o exame cadavérico, que irá apontar a causa da morte. Apenas após a realização dos exames será possível afirmar se trata-se de morte violenta.