Vídeo mostra discussão entre motorista e pedestre em Jardim Camburi

Nas imagens, gravadas no último dia 7, é possível ver o desentendimento entre os dois, que termina com o motorista acertando o pedestre com um objeto.

Um vídeo que está circulando nas redes sociais mostra uma briga de trânsito entre um motorista e um pedestre, em uma rua de Jardim Camburi, em Vitória. Nas imagens, gravadas no último dia 7, é possível ver o desentendimento entre os dois, que termina com o motorista acertando o pedestre com um objeto. 

O pedestre foi identificado apenas como um estudante, que não teve a idade revelada. Já o motorista, era o empresário Odorico Donizeth Coelho, de 51 anos, que em setembro de 2018 foi parar na delegacia após uma batida no trânsito, onde a filha dele, com 14 anos na época, levou um tapa no rosto do motorista do outro carro envolvido no acidente, o sargento Isaías Segades de Souza, de 50 anos.

As imagens mostram o motorista dirigindo em uma rua do bairro. Ao mesmo tempo, o estudante começa a atravessar a rua na faixa de pedestre, enquanto mexe no celular. O motorista quase atropela o pedestre na faixa, mas freia para evitar a colisão. Depois, desce do carro para falar com o estudante. É possível perceber que os dois discutem. Odorico vai até o carro e pega um objeto, partindo para cima do jovem (veja o vídeo abaixo).

ARREPENDIMENTO   

Procurado, o empresário afirmou que o objeto usado era o cabo de um guarda-chuva quebrado. Ele contou que teve a reação após ser xingado pelo estudante, mas confessou que as ofensas não justificam a violência e disse estar arrependido.

> "Ele errou", diz coronel da reserva sobre PM que agrediu adolescente

"Eu caí em uma cilada. Falei ao jovem que motoristas tem deveres, mas pedestres também. Disse que ele estava no celular, sem prestar atenção, e que eu poderia ter o atropelado. Ele disse que o problema era meu, me chamou de velho e fez vários xingamentos. Minha intenção era dispersar o rapaz. Não lembro se o acertei. Mas eu me arrependo porque nada justifica. Desde então, não durmo direito", afirmou. 

POLÍCIA INVESTIGA

De acordo com a Polícia Civil, o caso foi registrado como lesão corporal. "A vítima representou contra o acusado, que foi intimado para ser ouvido no 5º Distrito de Polícia de Vitória, localizado em Jardim Camburi. O caso segue sendo investigado pela Polícia Civil", disse a nota.

> Polícia reconstitui caso de jovem que levou tapa no rosto de PM na Serra

PEDESTRE VAI ACIONAR A JUSTIÇA

Depois de ser agredido enquanto atravessava uma faixa de pedestre, na tarde de segunda-feira (7), o estudante de biomedicina Renan Gonçalves, de 22 anos, conta como o conflito com o empresário Odorico Donizeth Coelho, em Jardim da Penha, Vitória.

De acordo com o estudante, ele atravessava a faixa em uma rotatória sem semáforo, quando Odorico acelerou o veículo. "Ele vinha em uma velocidade normal que eu conseguiria atravessar sem problemas, mas quando se aproximou de mim ele acelerou com o carro. Foi aí que tudo começou", disse.

O jovem negou as acusações de Odorico que chegou a relatar que as agressões aconteceram porque foi xingado pelo jovem. "Eu não xinguei em momento nenhum, muito pelo contrário, eu que fui ofendido e xingado por ele além das agressões físicas. Eu não tinha como fazer isso, na hora fiquei sem reação, só consegui dizer que a prioridade de atravessar era minha como pedestre".

O empresário chegou a relatar ainda que as agressões contra o jovem foram feitas com uma cabo de guarda-chuva, afirmação que o estudante também negou. "Aquilo com certeza não era um guarda-chuva. Não consigo definir o que era, parecia um cassetete. Só posso afirmar que guarda-chuva não era. Meu braço ficou cheio de hematomas."

Renan destaca ainda que depois de ter sido agredido, ele pegou o celular para fotografar a placa do carro. "Eu não conseguiria lembrar a placa de cabeça de tão nervoso que eu estava, mas lembrei que o celular com câmera estava em fácil acesso e decidi fazer isso", destacou.

Questionado sobre o vídeo só aparecer uma semana depois do fato, o jovem disse que primeiro procurou orientação de advogados. "Fiz as medidas cabíveis com as autoridades. Não queria chamar atenção da mídia, mas a história chegou e decidi contar minha versão", esclareceu.

Ainda de acordo com Renan, o estudante perdoa a ação do empresário, mas espera por justiça. "Já acionei a polícia e estou no momento me orientando com advogados. Não vou guardar ressentimento, mas ele precisa pagar pelo que fez".