10 alimentos que você deveria parar de comer

Eles estão na categoria dos ultraprocessados, que podem aumentar o risco de morte

Sorvete está no ranking dos alimentos relacionados a graves problemas de saúde
Sorvete está no ranking dos alimentos relacionados a graves problemas de saúde
Foto: Pixabay

Como qualquer criança, Enrico e Davi são fãs de sorvete e chocolate. Mas não é sempre que eles podem se deliciar com essas bobagens, controladas pela mãe dos meninos. “Eles comem mais nos finais de semana”, diz Sandra Cristina Franco, 41.

Ela faz bem. Esses dois alimentos fazem parte da lista dos produtos que ninguém deveria nunca (mais) comer. Pelo menos quem deseja ter uma vida longa. Achou exagero? Pergunte aos cientistas.

Duas pesquisas internacionais divulgadas recentemente apontaram os 10 alimentos mais relacionados a graves problemas de saúde. A primeira delas, feita na Espanha, revelou que pessoas que ingerem mais de quatro porções por dia de alimentos industrializados têm um risco 62% maior de morrer se comparado a quem os consome com uma frequência menor.

Já o segundo estudo, francês, mostrou que quem consome esse tipo de comida frequentemente está mais propenso a sofrer acidente vascular cerebral (AVC), ataque cardíaco e outros problemas.

No ranking, entram, além do sorvete e do chocolate, itens como: carne processada (bacon, salsicha, hambúrgueres); comidas prontas, como sopas instantâneas, lasanha e pizza; shakes que substituem refeições e sucos de caixinha.

> Kefir: faz bem para você e para seu filho

Para a nutricionista Roberta Larica, as pesquisas dão um alerta importante. “O ideal é consumir o minimo possível esses alimentos”.

Sim, eles são deliciosos. O problema está na composição. E não é difícil identificá-los na prateleira do supermercado. Basta reparar no rótulo.

“Devemos estar atentos à lista de ingredientes no verso dos pacotes. Lembrando que os primeiros itens da lista são os que estão em maior quantidade no produto. Portanto se o primeiro ingrediente for açúcar ou farinha refinada, já se sabe que não será uma boa escolha”, observa Roberta.

Sandra Franco faz questão de acompanhar a alimentação dos filhos, Enrico e Davi
Sandra Franco faz questão de acompanhar a alimentação dos filhos, Enrico e Davi
Foto: Vitor Jubini

De acordo com o médico Wesley Schunk, os ultraprocessados são ricos em gorduras saturadas, sódio, açúcares, conservantes químicos e corantes artificiais. E o consumo deles favorece distúrbios e doenças como hipertensão, diabetes, obesidade e alergias.

“Por exemplo, há conservantes como o nitrato de potássio, bem comum em carnes e embutidos. Ele é adicionado para aumentar a vida útil do produto, interferindo e matando outros microorganismos. Quando é ingerido, pode alterar toda nossa microbiota intestinal. Já se sabe da associação de conservantes com doenças inflamatórias do intestino e câncer”, cita o médico.

Mas e se comer só de vez em quando? “Não existe uma dose segura para o consumo de alimentos industrializados. Mesmo em pequena quantidade, já são considerados prejudiciais à saúde”, frisa Schunk.

Roberta concorda, mas sabe que, na prática, é difícil se manter longe deles. “O ideal é deixar para os momentos em que você terá uma ‘escapadinha’, como tomar um sorvete no final de semana, comer um biscoitinho na correria”.

O ideal, segundo ela, é que o dia a dia contenha alimentos mais simples. “Quanto mais ‘in natura’ nossa alimentação, quanto mais próxima do alimento conforme foi produzido, quanto mais ‘limpa’ e natural, mais propriedade benéficas ela terá para nossa saúde”.

Mesmo com todo avanço da ciência, os produtos ultraprocessados continuam na categoria mais malvista pelos estudiosos da saúde. “A indústria alimentícia desenvolve alimentos com vários apelos como light, diet, zero açúcar, zero lactose, sem se preocupar com a quantidade de produtos artificiais. A verdade é que nenhuma tecnologia vai fazer um alimento ultraprocessado ser mais saudável e seguro do que alimento de verdade”, destaca o médico.

Na casa da Sandra, frutas, verduras e legumes têm sempre espaço maior na geladeira. “Gosto de preparar a comida, que é a mais simples e básica. Os meninos comem rúcula, frutas. Nem compro refrigerante, suco de caixinha. E o bolo, faço em casa”, comenta ela, na certeza de que está cuidando da saúde de toda a família.

Os 10 alimentos mais perigosos para a saúde

Chocolate

Bolo pronto

Suco de caixinha e refrigerante

Sorvete

Carne processada (linguiça, salsicha...)

Shakes que substituem refeições

Sopas instantâneas 

Refeições prontas (pizza, lasanha)

Barra de cereal

Pão fabricado em larga escala

As categorias

Não processados ou minimamente processados

Entram as frutas, os legumes, o leite, carnes, grãos secos como arroz e feijão, sementes e ovos.

Processados

São aqueles que foram alterados para durarem mais ou para ter um sabor melhor. Por isso, têm adição de açúcar, sal e outra substâncias: queijos, pão, frutas e legumes enlatados, cerveja, carnes defumadas, sardinha e atum em lata.

Ultraprocessados

São formulações industriais, em geral, com pouco ou nenhum alimento inteiro. Esse tipo de alimento sempre contém aditivo, como é o caso das salsichas, biscoitos, geleias, sorvetes, chocolates, molhos, misturas para bolo, barras energéticas, sopas, macarrão e temperos instantâneos, salgadinhos chips, refrigerantes, produtos congelados e prontos para aquecimento como massas, pizzas, hambúrgueres e nuggets.